O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
O isopor se degrada mais rápido do que pensávamos
Tamanho da letra

O isopor (poliestireno) é um dos polímeros sintéticos utilizados ​​na fabricação de embalagens e materiais de construção: a cada ano são produzidas dezenas de milhões de toneladas de poliestireno e se trata de um dos resíduos plásticos mais presentes no ambiente.

Dada a sua ampla difusão e presença nos solos e nas águas, sempre se acreditou que o poliestireno persistiria por milhares de anos no meio ambiente, uma vez que os estudos sempre se concentraram na atividade microbiana.

A degradação do poliestireno pelos micróbios é de fato lenta e difícil, devido à estrutura complexa e pouco acessível do material.

Contudo, novos experimentos, realizados por pesquisadores da Woods Hole Oceanographic Institution, mostraram que o poliestireno pode se degradar em um período inferior, dezenas ou centenas de anos, graças aos raios solares.

A estrutura do poliestireno, não muito acessível para microorganismos, é, no entanto, perfeita para absorver a luz solar.

Os raios UV provocam uma série de reações de oxidação fotoquímica que levam primeiro à quebra física do plástico em pedaços tão pequenos que não são visíveis a olho nu e, em seguida, à degradação completa do poliestireno em dióxido de carbono e parcial no carbono orgânico dissolvido.

O estudo

Para demonstrar a capacidade do raios solares de degradar o poliestireno, os pesquisadores realizaram experimentos em cinco amostras diferentes do material.

Após mergulhar as amostras na água, elas foram submetidas à irradiação com lâmpadas que simulam a luz solar natural e, depois de certo período de tempo, mediram o CO2 e outras substâncias dissolvidas na água.

Dessa maneira, os cientistas foram capazes de formular hipóteses em realçao ao tempo necessário para degradar completamente o poliestireno disperso no ambiente.

A degradação completa pode, portanto, ocorrer em um arco temporal compreendido entre dezenas e centenas de anos e não milênios, como sempre se pensou.

O tempo necessário para transformar o poliestireno em CO2 pode variar com base em diversos fatores, incluindo a presença de aditivos capazes de absorver diferentes frequências da luz solar, influenciando a velocidade das reações e a quebra de ligações químicas.

De qualquer forma, o fato de o poliestireno se decompor em um tempo menor do que pensávamos, não nos autoriza a despejar toneladas desse tipo de lixo plástico no meio ambiente todos os anos.

Além do mais, os pesquisadores sublinharam a necessidade de estudos posteriores para estabelecer o destino final dos compostos dissolvidos na água.

Fonte: greenMe

   
       
 
03/07/2020 - Programa de Reciclagem de Copos Descartáveis
03/07/2020 - Uso de agrotóxicos para ‘combater’ gafanhotos pode piorar desequilíbrio ecológico
03/07/2020 - Zoo ameaça matar animais caso governo britânico não ajude com recursos
03/07/2020 - Polo Sul se aquece três vezes mais rápido que o resto da Terra
03/07/2020 - A energia que promete impulsionar o futuro do Brasil vem do alto mar
02/07/2020 -  Como estudar o Código Florestal para concursos públicos
02/07/2020 - Domingo na TV Cultura tem reportagens e séries inéditas na faixa de meio ambiente
01/07/2020 - Concreto reciclado junto com madeira é melhor que concreto novo
01/07/2020 - Metade da Terra permanece livre da influência humana

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados